Fundação para o Despertar da Mente (Awakening Mind )


Pagina Inicial

Publicações

Contato

Um Curso Em Milagres

Eventos

IV. O Processo da Enfermidade

Como toda terapia é psicoterapia, assim também toda enfermidade é doença mental. É um julgamento feito sobre o Filho de Deus, e o julgamento é uma atividade mental. O julgamento é uma decisão, tomada uma e outra vez, contra a criação e o seu Criador. É uma decisão de perceber o universo assim como tu o terias criado. É uma decisão segundo a qual a verdade pode mentir e não pode deixar de ser mentira. Nesse caso, o que pode ser a enfermidade senão uma expressão de pesar e de culpa? E quem poderia chorar exceto pela própria inocência?

Uma vez que o Filho de Deus é visto como um ser culpado, a enfermidade vem a ser inevitável. Foi pedida e será recebida. E todos aqueles que pedem uma enfermidade, agora condenaram a si mesmos a buscar remédios que não podem ajudar porque a sua fé foi colocada na enfermidade e não na salvação. Não há nada que uma mudança na mente não possa realizar, pois todas as coisas externas são apenas sombras de uma decisão já tomada. Muda a decisão, e assim como seria possível que a sua sombra ficasse sem ser mudada? A enfermidade só pode ser a sombra da culpa, grotesca e feia, já que é uma mímica da deformidade. Se uma deformidade é vista como algo real, como poderia ser a sua sombra senão deformada?

A descida ao inferno acontece passo a passo em um curso inevitável uma vez que a decisão de que a culpa é real foi tomada. A doença, a morte e a miséria agora assombram a terra e ondas incessantes, algumas vezes juntas e algumas vezes em inflexível sucessão. Contudo, todas essas coisas, por mais reais que pareçam, são apenas ilusões. Quem poderia depositar nelas sua fé, uma vez que isso é compreendido? E quem poderia não depositar a sua fé em todas elas até que compreenda isso? A cura é terapia ou correção, e nós já dissemos, e vamos repetir, que toda terapia é psicoterapia. Curar o doente é, apenas, trazer a ele a consciência disso.
A palavra ‘cura’ passou a ter má reputação entre os terapeutas mais ‘respeitáveis’ do mundo, e com razão. Nenhum deles pode curar e nenhum deles conhece a cura. Na pior das hipóteses, eles apenas fazem com que o corpo seja real em suas próprias mentes e, tendo feito isso, buscam uma mágica com a qual curar as enfermidades com as quais as suas mentes o dotaram. Como tal processo poderia curar? É ridículo do início ao fim. Contudo, tendo iniciado o processo, ele não pode deixar de terminar assim. É como se Deus fosse o diabo e precisasse ser encontrado no mal. Como poderia o amor estar presente? E como poderia uma doença curar? Não são ambas uma única pergunta?

Na melhor das hipóteses, e a expressão é talvez questionável aqui, os ‘curadores’ do mundo podem reconhecer a mente como a fonte da enfermidade. Mas o seu erro está em acreditar que ela pode curar a si mesma. Isso tem algum mérito num mundo em que “gradações de erros” é um conceito significativo. Contudo, as suas curas têm que continuar sendo temporárias, pois a morte não foi vencida até que o significado do amor seja compreendido. E quem pode compreender isso sem o Verbo de Deus, dado por Ele ao Espírito Santo como Sua dádiva a ti?

Qualquer tipo de enfermidade pode ser definido como o resultado de uma perspectiva que vê o ser como fraco, vulnerável, mau e em perigo, e assim em necessidade de defesa constante. No entanto, se o ser fosse assim realmente, defendê-lo seria impossível. Portanto, as defesas buscadas para isso não podem deixar de ser mágicas. Elas têm que vencer todos os limites percebido no ser e ao mesmo tempo fazer um auto-conceito novo, no qual o velho não pode reaparecer. Em uma palavra, o erro é aceito como real e se lida com isso através de ilusões. Como a verdade foi trazida às ilusões, a realidade agora passa a ser uma ameaça e é percebida como o mal. O amor passa a ser temido porque a realidade é amor. Assim o círculo se fecha contra as “trilhas internas” da salvação.

A enfermidade, portanto, é um equívoco e precisa ser corrigido. Como nós já enfatizamos, a correção não pode ser realizada quando se estabelece em primeiro lugar o ‘direito’ do equívoco para depois ignorá-lo. Se a enfermidade é real, ela não pode ser ignorada na verdade, pois não ver a realidade é insano. No entanto, esse é o propósito da mágica: fazer com que as ilusões sejam reais através de uma percepção falsa. Isso não pode curar, pois se opõe à verdade. Talvez uma ilusão de saúde a substitua por pouco tempo, mas nunca dura. O medo não pode ser escondido por ilusões, pois é parte delas. Ele escapará e tomará outra forma, sendo a fonte de todas as ilusões.

A doença é insanidade porque toda doença é doença mental, e nisso não há gradação. Uma das ilusões que nos faz perceber a doença como algo real é a crença segundo a qual as enfermidades variam de intensidade e o grau da ameaça difere segundo a forma que ela toma. Nisso está a base de todos os erros, pois todos eles não são nada mais do que tentativas de barganha por ver apenas um pouquinho do inferno. Isso é uma zombaria tão alheia a Deus que tem que ser para sempre inconcebível. Mas os insanos acreditam nisso porque são insanos.
Um homem louco defenderá as suas ilusões porque nisso vê a sua própria salvação. Assim, atacará aquele que tenta salvá-lo, acreditando que o está atacando. Esse círculo curioso de ataque-defesa é um dos problemas mais difíceis com os quais o terapeuta tem que lidar. De fato, essa é a sua tarefa central, o núcleo da psicoterapia. O terapeuta é visto como alguém que está atacando aquilo que o paciente tem de mais caro: o seu retrato de si mesmo. E como esse retrato veio a ser a segurança do paciente assim como ele a percebe, o terapeuta não pode deixar de ser visto como uma fonte de perigo real a ser atacada e até mesmo morta.
O psicoterapeuta, então, tem uma tremenda responsabilidade. Ele tem que parar o ataque sem atacar e, portanto, sem defender-se. É sua tarefa demonstrar que as defesas não são necessárias, e que a indefensividade é força. Esse tem que ser o seu ensinamento, se é que a sua lição vai ensinar que é seguro ter sanidade. O que não pode ser por demais enfatizado é que os insanos acreditam que a sanidade é ameaça. Esse é o corolário do ‘pecado original’: acredita-se que a culpa é real e inteiramente justificada. Portanto, é função do psicoterapeuta ensinar que a culpa, sendo irreal, não pode ser justificada. Mas também não pode oferecer segurança. E assim ela não pode deixar de continuar a ser tanto indesejável quanto irreal.
A doutrina única da salvação é a meta de toda terapia. Alivia a mente da carga insana da culpa que ela carrega com tanto cansaço e a cura se realiza. O corpo não é curado. Meramente se reconhece o que ele é. Visto corretamente, o seu propósito pode ser compreendido. Nesse caso, há necessidade de doença? Dada essa única mudança, tudo o mais se seguirá. Não há nenhuma necessidade de mudanças complicadas. Não há nenhuma necessidade de longas análises, discussões cansativas, e buscas. A verdade é simples, sendo uma só para todos.

<<--    -->>

PSICOTERAPIA - Propósito, Processo e Prática

 


http://www.awakening-mind.org (English)

You are welcome to share the ideas found here. If you would like to participate
in distributing these materials, please contact us. We love to hear from you.

Política de Privacidade