Fundação para o Despertar da Mente (Awakening Mind )


Pagina Inicial

Publicações

Contato

Um Curso Em Milagres

Eventos

VI. A Definição da Cura

O processo da psicoterapia pode, então, ser definido simplesmente como perdão, pois a cura não pode ser nenhuma outra coisa. Os que não perdoam estão doentes, acreditando que não foram perdoados. Apegando-se à culpa, abraçando-a fortemente, e oferecendo-lhe abrigo, protegendo-a com amor e defendendo-a em constante estado de alerta - estão apenas recusando-se inflexivelmente a perdoar. “Deus não pode entrar aqui” os doentes repetem uma e outra vez, enquanto choram a sua perda e ainda assim se regozijam nela. A cura acontece quando um paciente começa a ouvir a lamentação fúnebre que canta e questiona sua validade. Até que ele a ouça, não pode entender que é ele mesmo que canta para si próprio. Ouvi-la é o primeiro passo na recuperação. Questioná-la tem que vir a ser a sua escolha.

Há uma tendência e muito forte de ouvir essa canção da morte apenas por um instante, e depois despedi-la sem correção. Esses momentos fugazes de consciência representam as muitas oportunidades que nos são dadas para ‘mudar o tom’ literalmente. O som da cura pode ser ouvido em vez disso. Mas, em primeiro lugar, a disponibilidade de questionar a ‘veracidade’ da canção da condenação tem que surgir. As estranhas distorções tecidas inexplicavelmente no auto-conceito de cada um, que é em si mesmo uma pseudo-criação, faz com que esse som tão feio pareça verdadeiramente belo. “O ritmo do universo”, “o arauto da canção dos anjos,” tudo isso e muito mais ainda é ouvido em vez dos altos guinchos dissonantes.

O ouvido traduz, ele não ouve. O olho reproduz, ele não vê. A sua tarefa é tornar agradável seja o que for que seja chamado, pois mais desagradável que possa ser. Eles respondem às decisões da mente, reproduzindo os seus desejos e traduzindo-os em formas aceitáveis e aprazíveis. Algumas vezes o pensamento por trás da forma vem à tona, mas apenas por um breve instante e a mente se amedronta e começa a questionar a própria sanidade. Contudo, ela não permitirá que os seus escravos mudem as formas que contemplam, os sons que ouvem. Esses são seus ‘remédios’, seus ‘salvo-condutos’ através da insanidade.

Esses testemunhos que os sentidos trazem não têm senão um propósito: justificar o ataque e assim manter o que não foi perdoado sem ser reconhecido pelo que é. Visto sem disfarces, isso é intolerável. Sem proteção não poderia subsistir. Aqui toda a doença é valorizada, sem o reconhecimento de que é assim. Pois quando o que não foi perdoado não é reconhecido, a forma que toma parece ser uma outra coisa. E agora é essa ‘outra coisa’ que parece aterrorizar. Mas não é a ‘outra coisa’ que pode ser curada. Não está doente, e não precisa de nenhum remédio. Concentrar os teus esforços para cura aqui é apenas futilidade. Quem pode curar o que não pode estar doente e fazer com que fique bom?

A doença toma muitas formas e assim também a indisponibilidade para perdoar. As formas de cada uma apenas reproduzem as formas da outra, pois são a mesma ilusão. Cada uma é traduzida tão fielmente na outra, que um estudo cuidadoso da forma que uma doença toma apontará claramente para a forma da indisponibilidade de perdão que representa. Contudo, ver isso não efetuará uma cura. Isso é conseguido por apenas um reconhecimento: que só o perdão cura algo que não foi perdoado, e só uma indisponibilidade de perdoar pode fazer surgir qualquer tipo de doença.

A compreensão dessa idéia é a meta final da psicoterapia. Como é realizada? O terapeuta vê no paciente tudo o que ele não perdoou em si mesmo e assim lhe é dada uma outra chance de olhar para isso, abri-lo para reavaliação e perdoá-lo. Quando isso acontece, ele vê que os seus pecados desapareceram num passado que não está mais presente. Até que faça isso, não pode deixar de pensar que o mal o está atacando aqui e agora. O paciente é a tela para a projeção de seus pecados, capacitando-o a soltá-los. Se ele retiver uma mancha de pecado naquilo que contempla, a sua liberação será parcial e não será uma certeza.

Ninguém é curado sozinho. Essa é a canção alegre que a salvação canta para todos aqueles que ouvem a sua Voz. Essa declaração não pode ser lembrada demais por todos aqueles que vêem a si mesmos como terapeutas. Os seus pacientes só podem ser vistos como portadores do perdão, pois são eles que vêm demonstrar a própria impecabilidade a olhos que ainda acreditam que o pecado lá está para ser contemplado. No entanto, a prova da impecabilidade, vista no paciente e aceita no terapeuta, oferece à mente de ambos um acordo no qual eles se encontram e se unem e são como um só.

<<--    -->>

PSICOTERAPIA - Propósito, Processo e Prática

 


http://www.awakening-mind.org (English)

You are welcome to share the ideas found here. If you would like to participate
in distributing these materials, please contact us. We love to hear from you.

Política de Privacidade